20 estatísticas que todos os gestores de instalações devem conhecer

post-thumb

Escrito por Jill / Na Jul 23, 2022


Porque sabemos que os gestores de instalações adoram números, reunimos alguns dados surpreendentes que são importantes em 2022.

A nossa forma de trabalhar mudou drasticamente nos últimos anos. O nosso local de trabalho também está a evoluir - como estas estatísticas provam.


  1. 70% das empresas optam por um modelo de trabalho híbrido
  2. 48% dos empregados trabalham pelo menos parcialmente de casa
  3. 16% das empresas em todo o mundo trabalham de forma completamente remota
  4. 97% dos empregados querem trabalhar remotamente
  5. O teletrabalho poderia reduzir as milhas percorridas em 140 mil milhões por ano
  6. As empresas podem poupar 11.000 dólares por empregado através do teletrabalho
  7. Os empregados poupam até 7.000 dólares por ano através do teletrabalho
  8. Para 60 por cento dos milénios, o trabalho flexível é uma prioridade
  9. 84 por cento dos trabalhadores estão mais felizes graças ao teletrabalho
  10. 25% dos teletrabalhadores têm dificuldades em desligar a ficha depois do trabalho
  11. 44% das empresas não permitem o teletrabalho
  12. O mercado de gestão de instalações crescerá 1,3 por cento em 2022
  13. Um espaço de trabalho custa 8.000 a 14.000 dólares por ano
  14. 63% das empresas utilizam a análise de dados para aumentar a produtividade
  15. A tecnologia inteligente pode reduzir os custos de energia em 20%.
  16. Para 27% das empresas, a segurança é fundamental na análise de dados
  17. As despesas com a tecnologia IoT sobem para $1,2 triliões
  18. Em 2030, 75 por cento da força de trabalho será de milénios.
  19. 63% dos empregados não se sentem totalmente envolvidos nos seus trabalhos
  20. O equilíbrio trabalho-vida é melhor em Itália


O trabalho flexível está em ascensão


1. 70% das empresas optam por um modelo de trabalho híbrido

Mesmo antes da pandemia da coroa, o trabalho à distância estava em ascensão. Pesquisas da Global Workplace Analytics mostram que o teletrabalho cresceu 216 por cento entre 2005 e 2019, e com um empurrão extra de Covid, está agora em plena expansão. Entre os trabalhadores do conhecimento, a percentagem de trabalhadores em teletrabalho quase duplicou.

Estudos recentes mostram que o modelo de trabalho híbrido é agora a escolha preferida entre as empresas. 70% das empresas consideram uma combinação de teletrabalho e trabalho de escritório como o novo normal, de acordo com um inquérito da Mercer.


2. 48% dos empregados trabalham pelo menos parcialmente de casa

A empresa de investigação Gartner calculou que durante a pandemia, quase metade dos empregados trabalhava a tempo inteiro no conforto da sua própria casa. Antes da pandemia, 30 por cento trabalhavam pelo menos ocasionalmente à distância, em comparação com os 48 por cento actuais.


Employee percentage working from home




3. 16% das empresas em todo o mundo trabalham de forma completamente remota

O facto de algumas empresas hoje em dia não terem uma (sede) e optarem por trabalhar de forma completamente remota, apenas prova o quanto a mentalidade mudou. Hoje essas empresas representam apenas 16%, segundo a Owl Labs, mas há uma boa probabilidade de que este número aumente nos próximos anos.

Plataforma freelance Upwork estima que, daqui a cinco anos, mais de um quarto de todos os empregados estarão a trabalhar de forma completamente remota. Isto significa 40 milhões de empregados em todo o mundo a trabalhar a tempo inteiro a partir da sua própria sala de estar.


4. 97% dos empregados querem trabalhar remotamente

O teletrabalho está assim em ascensão, e os empregadores não o quereriam de outra forma. De acordo com um inquérito da Buffer, 97% dos empregados querem ter a opção de trabalhar remotamente pelo menos uma parte do tempo. As principais razões, segundo a Owl Labs, são a poupança de tempo, a redução do stress, mais tempo para a família e melhor produtividade.


Employee reasons for working from home




5. O teletrabalho poderia reduzir as milhas percorridas em 140 mil milhões por ano

O teletrabalho significa que os trabalhadores já não têm de conduzir até ao escritório todos os dias, e isso tem grandes implicações para o tráfego. Segundo a KPMG, em Abril de 2020 - durante a primeira vaga COVID-19 - o número de milhas percorridas nos Estados Unidos desceu até 64 por cento.

Hoje em dia, as ondas de deslocação pendular estão de volta. Mas se continuarmos a telecomutar pelo menos parte do tempo, o mesmo estudo sugere, o número de milhas percorridas poderia ser reduzido em 70 a 140 mil milhões - só nos EUA.

Isto não só poupa dinheiro aos empregadores, como também ajuda a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa.


6. As empresas podem poupar 11.000 dólares por empregado através do teletrabalho

Uma estatística que certamente será do seu interesse: a empresa americana média poupa mais de 11.000 dólares por ano ao ter os seus empregados a trabalhar remotamente pelo menos metade do tempo, de acordo com um estudo da Global Workspace Analytics.

Como é isso possível? Que se gaste menos dinheiro em espaço de escritório e custos de energia quando os trabalhadores se teletrabalham, é evidente, mas também há outros factores em jogo. Melhor satisfação do pessoal, por exemplo, o que resulta em menos interrupções, menos rotatividade de pessoal e maior produtividade e empenho.


7. Os empregados poupam até 7.000 dólares por ano através do teletrabalho

Não só as empresas beneficiam financeiramente do teletrabalho. A Global Workspace Analytics afirma que os empregados podem poupar 2.000 a 7.000 dólares por ano. Isto porque vários custos são eliminados ou reduzidos: transporte e outros custos relacionados com o trabalho, tais como despesas de vestuário de trabalho ou de restaurante, bem como, por exemplo, cuidados infantis dispendiosos. Um escritório em casa pode por vezes até proporcionar benefícios fiscais.


Ler mais

5 tendências na gestão de instalações que se destacam em 2022


8. Para 60 por cento dos milénios, o trabalho flexível é uma prioridade

De acordo com o fornecedor de serviços financeiros Bankrate, 60% dos milénios escolhem opções de trabalho flexíveis em vez de salários mais elevados. Estes trabalhadores estariam dispostos a abdicar de algum do seu tempo livre e outros benefícios se isso significasse que poderiam trabalhar remotamente sempre que quisessem. Este é um facto importante, dado que os milénios constituem quase metade da mão-de-obra actual.

Mas não são apenas os milenares que classificam a flexibilidade em alta. Todos os empregados querem flexibilidade, e foi isso que a maioria deles conseguiu nos últimos anos. Se a sua empresa reduzisse novamente essa flexibilidade, mais de 50% dizem estar dispostos a procurar outro emprego, de acordo com a pesquisa do prestador de serviços EY.


9. 84 por cento dos trabalhadores estão mais felizes graças ao teletrabalho

Das pessoas que trabalharam à distância durante a pandemia, 84% disseram num inquérito da Owl Labs que ficariam mais felizes se tivessem a oportunidade de continuar a fazer teletrabalho pelo menos uma parte do tempo. Cerca de 80 por cento sentir-se-iam menos stressados e mais confiantes para fazer o seu trabalho.


Work from home benefits




10. 25% dos teletrabalhadores têm dificuldades em desligar a ficha depois do trabalho

Já vimos os tele-comutadores serem mais empenhados, mais felizes, mais saudáveis e mais produtivos, mas também há desafios. De acordo com Buffer, 25% dos trabalhadores remotos estão a ter dificuldades em desligar a ficha quando a sua jornada de trabalho termina. Desligar mentalmente parece mais difícil quando se trabalha à sua própria mesa de cozinha.

Outras dificuldades que os teletrabalhadores enfrentam são a solidão (19 por cento) e a comunicação (17 por cento).


11. 44% das empresas não permitem o teletrabalho

Apesar do inegável aumento do trabalho remoto, ainda existem empresas que não permitem o teletrabalho. Alguns empregos requerem simplesmente uma presença física - como recepcionistas ou trabalhadores da produção - mas espera-se que mesmo os trabalhadores de escritório ainda estejam a tempo inteiro no escritório em algumas empresas.

De acordo com a Owl Labs, 44% das empresas ainda hoje são avessas ao teletrabalho. Mas espera-se que este número diminua, devido a circunstâncias externas, evoluções técnicas e pressões de empregados e empresas concorrentes.



O mercado de gestão de instalações continua a crescer


12. O mercado de gestão de instalações crescerá 1,3 por cento em 2022

A pandemia da coroa realçou a importância da gestão das instalações. O papel do gestor das instalações torna-se mais proeminente, e mais empresas reconhecem o enorme impacto que um gestor de instalações pode ter na empresa. A gestão de instalações é, portanto, uma das indústrias que mais rapidamente cresce.

A Fortune Business Insights calculou que o mercado de gestão de instalações e outros serviços administrativos deverá crescer 1,3 por cento até ao final do ano em comparação com 2021.

Entre 2020 e 2030, o emprego na indústria crescerá 9 por cento. Globalmente, o mercado da gestão de instalações vale hoje 1.260,36 mil milhões de dólares. Até 2029, valerá 1.856,44 dólares, de acordo com a Fortune Business Insights.


13. Um espaço de trabalho custa 8.000 a 14.000 dólares por ano

A empresa de investigação Gartner calculou que fornecer um espaço de trabalho a um empregado custa a uma organização 8.000 a 14.000 dólares por ano. Os custos podem ser reduzidos através de uma gestão adequada do espaço e do equipamento.

Os locais de trabalho mais caros, segundo a empresa de consultoria imobiliária JLL, encontram-se em Hong Kong, Nova Iorque, Pequim e Londres.


A tecnologia inteligente e a análise de dados ganham ímpeto


14. 63% das empresas utilizam a análise de dados para aumentar a produtividade

A análise de dados alterou fundamentalmente o panorama empresarial. Mais do que nunca, está a fornecer às organizações conhecimentos accionáveis que conduzem a resultados positivos. A maioria das empresas (63%) utiliza a análise de dados para aumentar a produtividade e eficiência, de acordo com uma sondagem da MicroStrategy. 57% dependem da análise de dados para orientar as decisões.


Company benefits data analytics




15. A tecnologia inteligente pode reduzir os custos de energia em 20%.

A investigação mostra que as empresas poupam em média 5% nos custos totais de ocupação, 3,5% nos custos de arrendamento e 3,3% nos custos de manutenção, utilizando software especial e tecnologia inteligente. A utilização de tecnologia de sensores para monitorizar o consumo de energia em edifícios de escritórios pode mesmo reduzir os custos energéticos em até 20 por cento.

Ao utilizar software de gestão de espaço, as empresas obtêm uma visão clara de como o seu espaço de escritórios está a ser utilizado. Com base nisto, podem implementar decisões que as ajudarão a poupar muito dinheiro. O software de manutenção fornece conhecimentos sobre os custos operacionais, que podem depois ser avaliados de forma consistente.


16. Para 27% das empresas, a segurança é fundamental na análise de dados

27% das organizações a nível mundial citam a segurança como o factor mais importante na escolha de uma solução analítica de dados, de acordo com uma sondagem da MicroStrategy.

Outros factores importantes são: versatilidade da plataforma, facilidade de utilização e reputação (17 por cento cada).


Na Vizito, levamos a segurança a sério. Para ler mais sobre como os sistemas de gestão de visitantes podem melhorar a segurança na sua empresa, clique aqui.


17. As despesas com a tecnologia IoT sobem para $1,2 triliões

É evidente que o papel da tecnologia inteligente está a tornar-se cada vez mais importante e continuará a crescer. Até 2022, prevê-se que os gastos globais em tecnologia da Internet das Coisas atinjam 1,2 triliões de dólares, com uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 13,6%.

Prevê-se que o número de dispositivos de Internet das Coisas ligadas em todo o mundo atinja 14,4 mil milhões até ao final deste ano.


Novos desafios de mão-de-obra


18. Em 2030, 75 por cento da força de trabalho será de milénios.

O U.S. Bureau of Labor Statistics prevê que os milénios constituirão 75 por cento da força de trabalho até 2030.

Para atrair este talento, as empresas terão de abraçar as ferramentas tecnológicas que esta geração está habituada a empregar. Novos desafios estão para os gestores de instalações.


19. 63% dos empregados não se sentem totalmente envolvidos nos seus trabalhos

Num estudo da Global Workforce Study da consultora de seguros Towers Watson, 63% dos trabalhadores dos EUA dizem não se sentir totalmente envolvidos no seu trabalho, em grande parte porque o ambiente de trabalho não lhes fornece o apoio adequado. De acordo com os dados, os trabalhadores não têm uma ligação positiva com o seu empregador, o que resulta numa diminuição da produtividade.


20. O equilíbrio trabalho-vida é melhor em Itália

De acordo com a OCDE, as pessoas em Itália têm o melhor equilíbrio entre trabalho e vida privada. Apenas 3% dos empregados no país trabalham mais de 50 horas por semana. A Dinamarca, Noruega, Espanha e Países Baixos também têm uma posição elevada. Os EUA ocupam apenas a 29ª posição porque mais de 10 por cento dos americanos têm dias de trabalho muito longos.


Equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada dos empregados





Para ter uma ideia de como um sistema moderno de gestão de visitantes pode ajudar o seu negócio, experimente Vizito durante um ensaio de 14 dias ou converse connosco para discutir como Vizito pode ajudá-lo a melhorar a sua recepção.

Têm mais perguntas? Estas são as 7 perguntas mais comuns sobre sistemas de gestão de visitantes - e as nossas respostas.

Experimente Vizito de graça